Alimentação infantil: O desafio do 0 aos 12 meses

A OMS (Organização Mundial da Saúde) determina: o leite materno deve ser a única fonte de alimentação do bebê nos seis primeiros meses de vida. Depois disso a mãe pode começar a oferecer novos alimentos. Mas, ainda de acordo com a OMS, a amamentação deve continuar como complemento do cardápio infantil até os dois anos de idade.

Segundo a nutricionista Solange de Oliveira Saavedra a nova rotina alimentar deve começar com sucos e depois papinhas. “A mãe deve raspar a fruta com uma colher ou amassá-la com um garfo. A consistência tem que ser pastosa e não líquida e, com o passar do tempo, evoluir para uma consistência cada vez mais sólida”, explica.

Para facilitar essa nova fase na vida de mãe e filho, separamos algumas dicas baseadas na opinião de especialistas. Confira.

0 a 6 meses
O leite materno supre toda a necessidade nutricional do bebê nos primeiros meses de vida. É aconselhável que seja a única fonte de alimentação. “Criança que só mama no peito não precisa receber água, chás ou sucos. Apenas o leite materno é suficiente para dar toda a água de que precisa” alerta o pediatra Paulo Fontella Filho.

Além de fornecer todos os nutrientes necessários nos primeiros meses de vida, a amamentação protege a mãe contra doenças cardiovasculares.

5 ou 6 meses
A introdução de novos alimentos deve ser gradativa. Sucos (laranja lima) e papinhas de frutas bem amassadas. “A mãe deve oferecer o leite materno pela manhã e dividir as papinhas e sucos entre as outras refeições do dia”, aconselha a Coordenadora de Nutrição Clínica do Hospital Israelita Albert Einstein (SP), Ariane Nadolskis Severine.

7 ou 8 meses
Nessa fase as papinhas salgadas devem entrar para a rotina alimentar da criança.

Depois do leite materno, chegou a vez das papinhas entrarem no cardápio das crianças.

9 meses
Gema de ovo cozida, iogurte, carne ou peixe para suprir as necessidades de proteínas.

12 meses
Pode oferecer à criança a dieta habitual da família. Nessa fase o bom exemplo na alimentação vai determinar os hábitos alimentares da criança.

Deixar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *