Bebê

Apaixone-se pela coleção Inverno Elian 2018 – Bebê

A estação mais aconchegante do ano logo está chegando. O inverno fica ainda mais gostoso quando estamos na casa da Nonna, um lugar especial onde o carinho está em todos os lugares. A coleção Inverno Elian – Casa da Nonna traz o aconchego de um inverno irresistível ao lado da família.
Se apaixone pelas peças lindas da linha bebê:

Para os meninos a diversão e o conforto caminham lado a lado. Com peças em tons de vermelho, azul, verde, mescla e marinho, os estampados em moletom trazem elementos divertidos e invernais como as montanhas com neve, pinheiros e ursinhos.

Para as meninas a coleção Inverno Elian está encantadora. Destaque para a temática little princess que apresenta estamparia corrida. As peças em pelos também têm um espaço especial na linha, estando presentes em diversas peças trazendo conforto e proteção contra o frio sem perder o estilo.
A coleção bebê do Inverno Elian 2018 tá lindo demais, não deixe de conferir!

Deixar um comentário

Coleção Elian Tropical 2017/2018 – Bebê

Para aproveitar muito a estação mais quente do ano, a coleção Bebê da Elian Tropical 2017/2018 conta com peças super fresquinhas e pra lá de fofas. Vem se encantar:

Para as meninas tanto os vestidos e os conjuntos são peças chaves para um dia de verão. Com looks estampas com flores e listras a sua pequena vai ficar uma fofura!!!

O mar azul convida todos os meninos para uma aventura inesquecível com peças com temas náuticos e também aéreos. É super fofo!!!

Não deixe de conferir a coleção Elian Tropical.

Deixar um comentário

Curiosidades o cérebro e o desenvolvimento dos bebês

brothers-457237_1280

Os avanços nas pesquisas científicas comprovam cada vez mais o quanto é importante criar vínculos e se comunicar com as crianças desde quando são recém-nascidas. Em uma recente matéria publicada pela revista National Geographic, novas descobertas sobre como funciona a mente dos bebês foram relatadas, fortalecendo a tese de que eles percebem e compreendem mais do que imaginamos.

Um dos resultados descritos na revista mostra que, segundo pesquisa de Hallam Hurt, crianças pequeninas que recebem mais atenção e cuidados são propensas a ter o QI mais alto comparadas a outras que crescem nas mesmas condições socioeconômicas, porém com menos zelo. Além disso, ela constatou que as crianças que recebiam mais estímulos desenvolveram melhor as dimensões do hipocampo, área ligada à memória.

Não se engane com as frases de uma só sílaba dos bebês! Outro experimento, feito por neurocientistas, mostrou que as crianças já sabem distinguir tempos verbais e entender a construção de frases muito antes de desenvolver a fala. A capacidade se intensifica por volta dos dois anos. Nessa fase, mesmo sabendo formar poucas frases, elas sabem até mesmo detectar erros de concordância, mudando os padrões de atividade neural quando a frase está incorreta. Incrível, né?!

A publicação mostrou ainda, por meio de pesquisas científicas, que o contato afetivo e o estímulo através de conversas, brincadeiras e cuidados são um verdadeiro portal para o desenvolvimento linguístico, cognitivo e emocional. Detalhe importante: ao testar as influências externas, os estudiosos perceberam que esse contato deve ser dos pais e pessoas próximas. Estimular o bebê apenas com o uso de tablets, televisão e outros aparelhos eletrônicos não traz os mesmos benefícios.

As curiosidades relatadas na publicação reforçaram ainda a importância do reforço positivo com elogios, de estabelecer limites mesmo que a criança ainda não fale (pois ela já entende), de controlar a emoção dos adultos para que as crianças não absorvam as tensões e de brincar muito em família.

Deixar um comentário

Aumento das licenças de paternidade e maternidade

boy046

Recentemente um deputado colocou em pauta no senado a discussão sobre a duração das licenças maternidade e paternidade, lançando a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 41/2015. Ela sugere que pais possam estender sua licença-paternidade de 5 para 30 dias sem sofrer prejuízos no salário.

O projeto ainda visa aumentar o tempo da licença-maternidade, que hoje dura 120 dias, para 180 dias de recesso do trabalho após a chegada do bebê. A exceção fica por conta de funcionárias públicas – que já têm direito aos seis meses de licença – e de mulheres que trabalham em companhias participantes do Programa Empresa Cidadã, que também garante esse tempo de afastamento.

O aumento de ambas as licenças garante a criança e aos pais mais conforto, já que os primeiros meses depois do parto são de adaptação e nem sempre são fáceis. Recém-nascidos precisam de cuidado constante e muita atenção. Dependem da mãe e do pai para comer e para se limpar.

Para a mãe, que além de enfrentar uma mudança enorme na sua vida, ainda tem que lidar com as mudanças do seu corpo, que aos poucos está voltando ao normal, um período maior ao lado de bebê significa mais tempo para estender a amamentação exclusiva, que deve ir até os seis meses.

O período oficial de licença-paternidade é muito curto, porque muitas mães chegam a passar três dias na maternidade, onde têm acompanhamento constante das enfermeiras, e o restante do tempo é curto para o pai conhecer o bebê, aprender a fazer coisas básicas, como trocar a fralda e dar banho, e ajudar a mamãe com a recuperação.

Além disso, a mulher começa a ser mãe no momento em que descobre que está grávida, mas o homem só sente a paternidade de fato quando o bebê nasce, conforme pesquisas. Ao voltar ao trabalho e deixar a mulher e o bebê em casa em tão pouco tempo, o papai precisa interromper esse processo, e nasce a sensação de exclusão.

Ficar mais tempo ao lado da mulher e do bebê significa criar laços mais profundos, conviver mais diretamente com a paternidade e vivenciar os desafios de ser pai de uma forma muito melhor.

Deixar um comentário

“Dá vontade de morder!”

Mother's love

Sabe quando a gente olha para um bebê fofinho, com pés pequeninos, pele macia, bochechões e temos o impulso de querer apertar ou morder? Acredite, existe uma explicação científica para isso!

Segundo pesquisadores da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, é natural do ser humano responder a uma experiência positiva com uma ação “negativa” para regular suas emoções quando os sentimentos afloram. Não significa que você tem vontade de machucar a criança, mas o cérebro envia essa mensagem de morder, socar e apertar para que se recomponha da euforia ao ver a fofura. Para que entenda melhor, o mecanismo é o mesmo de quando choramos de alegria, rimos de nervoso ou temos vontade de bater forte na mesa numa partida de Truco. Nesse último exemplo, você não está com raiva, mas se os jogadores estiverem empolgados, a reação se parecerá com esse sentimento. Curioso, né?!

Então você já sabe por que a maioria das pessoas gosta de deixar as bochechas do bebê rosadinhas e de amassá-lo em um abraço. A reação é normal e, desde que a criança não se machuque e o adulto tenha bom senso, é só uma expressão engraçada de afeto.

Deixar um comentário