Curiosidades o cérebro e o desenvolvimento dos bebês

brothers-457237_1280

Os avanços nas pesquisas científicas comprovam cada vez mais o quanto é importante criar vínculos e se comunicar com as crianças desde quando são recém-nascidas. Em uma recente matéria publicada pela revista National Geographic, novas descobertas sobre como funciona a mente dos bebês foram relatadas, fortalecendo a tese de que eles percebem e compreendem mais do que imaginamos.

Um dos resultados descritos na revista mostra que, segundo pesquisa de Hallam Hurt, crianças pequeninas que recebem mais atenção e cuidados são propensas a ter o QI mais alto comparadas a outras que crescem nas mesmas condições socioeconômicas, porém com menos zelo. Além disso, ela constatou que as crianças que recebiam mais estímulos desenvolveram melhor as dimensões do hipocampo, área ligada à memória.

Não se engane com as frases de uma só sílaba dos bebês! Outro experimento, feito por neurocientistas, mostrou que as crianças já sabem distinguir tempos verbais e entender a construção de frases muito antes de desenvolver a fala. A capacidade se intensifica por volta dos dois anos. Nessa fase, mesmo sabendo formar poucas frases, elas sabem até mesmo detectar erros de concordância, mudando os padrões de atividade neural quando a frase está incorreta. Incrível, né?!

A publicação mostrou ainda, por meio de pesquisas científicas, que o contato afetivo e o estímulo através de conversas, brincadeiras e cuidados são um verdadeiro portal para o desenvolvimento linguístico, cognitivo e emocional. Detalhe importante: ao testar as influências externas, os estudiosos perceberam que esse contato deve ser dos pais e pessoas próximas. Estimular o bebê apenas com o uso de tablets, televisão e outros aparelhos eletrônicos não traz os mesmos benefícios.

As curiosidades relatadas na publicação reforçaram ainda a importância do reforço positivo com elogios, de estabelecer limites mesmo que a criança ainda não fale (pois ela já entende), de controlar a emoção dos adultos para que as crianças não absorvam as tensões e de brincar muito em família.

Deixar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *